Dubladores

Aliomar de Matos


Arquivo de Som:

 
Irmã Bertrille (Sally Field) em A Noviça Voadora


 
Biografia:

 
Aliomar de Matos foi uma dubladora Carioca e Paulistana.

 

Início

 

Aliomar de Matos nasceu em 1931 em Salvador, Bahia.

 

Começou a carreira como radioatriz aos 8 anos de idade, por volta de 1934 na Rádio Tupi, revelada no programa A Hora do Guri, da Tia Chiquinha (Silvia Autuori), que revelou muitas crianças que depois viraram grandes estrelas.

 

Rádio Educadora

 

Na década de 1940, ingressa na Rádio Educadora, ficando até 1943, quando ingressa na Rádio Tamoio.

 

Rádio Tamoio

 

Na emissora, participou de diversos programas, como: Programa da Petizada (1943); que constituía de vários quadros, inclusive de novelas da qual Aliomar também participava, como: O Pequeno Lord (1943), entre outras.

 

Rádio Nacional

 

Em 1944, entra para a Rádio Nacional, ao mesmo tempo que Domício Costa, colega futuro seu na dublagem.

 

Rádio Tamoio

 

Permaneceu cerca de 1 ano na emissora, e retorna para a Rádio Tamoio.

 

Aliomar de Matos (1946)

 

Participava também do Teatro Religioso, como na peça: Santa Catarina (1946), ao lado de Paulo Porto, Restier Junior, Carlos Machado, e outros.

 

Na emissora, também participou de diversas rádionovelas. Entre elas: A Felicidade é Quase Nada (1948), Meu Destino é Pecar (1949), A Felicidade é Quase Nada (1949), entre outras.

 

O famoso programa da Tamoio, Pausa Para Meditação (1949), também teve sua participação, na interpretação de diversas histórias.

 

Rádio Clube do Brasil

 

Aliomar de Mattos (1951)

 

Em 1951, ingressa na Rádio Clube do Brasil.

 

Na emissora, atua em diversas rádionovelas, como: Lágrimas de Homem (1951), Noite Sem Fim (1951), entre outras.

 

Rádio Tupi

 

Na Rádio Tupi, retornou em 1952.

 

Aliomar de Matos, Avalone Filho, Ida Gomes, e Alcina Maria (1959)

 

Sua maior atuação na emissora eram nas rádionovelas. Entre elas, temos: Amanhã Vai Chover (1952), Sua Vida Me Pertence (1952), Destino Marcado (1954), A Milionária (1955), O Outro Lado da Vida (1958), O Tesouro (1958), Comecemos Outra Vez (1958), Violência (1958), Um País Chamado Esperança (1958), Vidas Agrestes (1959), O Mundo Está Lá Fora (1959), E Uma Luz Brilhou... (1959), Estrela Sem Brilho (1959), Vidas Sem Rumo (1959), Cabecinha de Vento (1959), Sangue Maldito (1959), Vendaval de Emoções (1959), Na Solidão da Noite (1959), Amanhã... Será o Nada!... (1959), O Mistério da Fazenda Solidão (1959), Cara Suja (1959), O Despertar de Um Coração (1959), O Preço da Tentação... (1959), O Mundo Está Lá Fora (1959), Somos Todos Irmãos (1959), A Morte Não é o Fim (1960), A Moeda Maldita (1960), Destino de Um Homem (1960), Tarde Demais Para Chorar (1962), O Segredo do Castelo de Cliff (1962), entre muitas outras.

 

Também esteve presente no programa Teatrinho do Sorriso (1956), de Edgard G. Alves, interpretando peças de teatro infantil.

 

Aliomar também era cantora, e chegou a participar de programas na emissora do gênero, ao lado dos Garotos da Lua, Três Marias, Carlos Frias, entre outros, em programas como Música e Coca-Cola Nos 4 Cantos do Mundo (1955), entre outros.

 

Também esteve presente em alguns programas humorísticos na emissora, como em: Uma Pulga na Camisola, do escritor Max Nunes (1954), Riso, Cidade Aberta (1962), ao lado de Orlando Drummond, Ronaldo Magalhães, e outros, entre outros.

 

Se afastou do rádio em Agosto de 1962.

 

Rádio Clube do Brasil

 

Por volta de meados dos anos de 1960, vai para a Rádio Clube do Brasil, aonde fica até 1967, quando vai para São Paulo com o marido, Silvio Matos, para ingressar no estúdio de dublagem AIC.

 

TV Tupi

 

Jomeri Pozzoli e Aliomar de Matos

 

Na emissora das Associadas só ingressou por volta de 1957, trabalhando com diversos ícones da época, como Ida Gomes, Jomeri Pozzoli, Alberto Perez, e muitos outros.

 

Nas novelas, Aliomar marcou presença em: A Felicidade Verá Depois (1957), e Trágica Mentira (1959).

 

Ioná Magalhães e Aliomar de Matos (1958)

 

Em peças, tivemos diversas participações suas em programas teatrais, como Teatro Aos Domingos, em: Chantage (1957), Teatro de Novela Coty, em: Trágica Mentira (1959), além do programa infantil Fantasias Cornflakes, em: O Anel Encantado (1954), de Miguel Rosenberg, e a peça Sinhá Moça Chorou (1959).

 

Jomeri Pozzoli, Aliomar de Matos, Avalone Filho, e Maurício Sherman (1959)

 

Outra sequência de que fez parte foi o Teatro de Comédias, em peças como: Os Águias (1957), Sindicato dos Maridos (1958), e A Tal do Segundo Andar (1958).

 

Desconhecida, Aliomar do Matos, Aldo César e Ângela Bonatti, na TV Tupi - Rio, na década de 1950

 

Sem dúvida nenhuma o programa em que foi mais famosa na emissora foi no Teatro de Equipe, aonde trabalhou principalmente com a dupla Jomeri Pozzoli e Ida Gomes, em peças como: Czarina (1958), 3.200 Metros de Altitude (1958), A Governanta (1958), A Dama das Camélias (1958), O Rosário (1959), Vitória Amarga (1959), Sonata a Quatro Mãos (1959), Divino Perfume (1959), e O Incrível Dionélio (1959).

 

Teatro

 

No teatro, começou na pré-adolescência, pela Associação Brasileira de Críticos Teatrais, patrocínio de Serviço Nacional de Teatro do Ministério da Educação. Ao seu lado estavam Gerval dos Santos, Daisy Lúcidi e Domingos Martins, que também começaram pequenos na Rádio Tupi.

 

Entre as peças que atuou, estão: Aladino Ou A Lâmpada Maravilhosa (1942), ao lado de Gerval dos Santos, A Nova Gata Borralheira (1942), ao lado de Daisy Lúcidi, Nathalia Timberg, Gerval dos Santos, e Domingos Martins, ambas com direção de Olavo de Barros, e Branca de Neve e Os Sete Anões (1944), ao lado de Dulce Martins, Gerdal dos Santos, Arthur Costa Filho, Daisy Lúcidi, Luiz Brandão, entre outros.

 

Aliomar de Matos na década de 1950

 

Depois de um longo tempo longe do Teatro por conta do Rádio e da Televisão, retorna pelo Teatro de Equipe de Diretores, na peça: A Dama das Camélias (1958), adaptação de Ribeiro Fortes.

 

No início de 1960, quando estava de férias na Rádio Tupi, entra para a Companhia de Comédias Procópio Ferreira, aonde viaja o Brasil inteiro fazendo peças teatrais. Atua nas peças de Janeiro à Março de 1951, e retorna para a Companhia em 1962.

 

Aliomar de Matos, Cléo Navarro, Procópio Ferreira, e Silvio Matos

 

Na companhia, atuou nas peças: Meu Marido é Um Santo (1961), As Mulheres Não Resistem (1961), Esta Noite Choveu Prata (1961), e Boa Noite, Betina (1962), também apresentada no Teatro Record, em São Paulo.

 

Na companhia, atuou ao lado de Anilza Leoni, Procópio Ferreira, Otelo Zeloni, Raquel Martins, Walter Stuart, e outros.

 

Sua última peça no teatro, é: O Gato de Botas (1970), com direção de Older Cazarré, ao lado de Silvio Navas, Gilberto Baroli, Older Cazarré, Célia Paula, e Maralise Tartarine.

 

Vida Pessoal

 

Alomar de Matos e Atamar de Matos, irmãs de Aliomar, também trabalharam no rádio. Altamar, por exemplo, atuou na Rádio Clube do Brasil na década de 1950.

 

Aliomar, Jaime e Antônio (1950)

   

Aliomar se casa no final da década de 1950, com o músico Jaime Araújo que fazia parte da Orquestra Tabajaras, ao lado do irmão Severino Araújo. O primeiro e único filho do casal, Jaime Antônio, nasce em 1950. Aliomar se separa de Jaime em 1956.

 

Aliomar de Matos, e a filha Antonieta Matos

 

Por volta de 1956, conhece José Luiz Aromatis, diretor financeiro da TV Tupi, com quem se casa pouco tempo depois. Em 1957, nasce a única filha do casal, Maria Antonieta de Matos Aromatis. Um tempo depois se separam, e Antonieta vai morar com seu pai e sua avó.

 

Em 1960, conhece Silvio Matos na Companhia de Comédias Procópio Ferreira, casando-se com ele em 1962.

 

Música

 

LP da música O Telefone Chora (1975)

 

Em 1975, Aliomar foi convidada para dar voz a uma criança na canção de Márcio José, O Telefone Chora. Ficou tão famosa por essa música, que chegou a gravar uma versão em espanhol. Também chegou na época a ir no Programa Silvio Santos, para que as pessoas soubessem quem era a dona da voz.

 

Dublagem

 

Na dublagem começou no final dos anos de 1950, passando pela Riosom, Peri Filmes e Herbert Richers. Em 1965 levou sua filha Maria Antonieta, conhecida como Antonieta Matos, para a dublagem, foi a primeira criança a dublar naquela época.

 

Slogan da AIC, empresa que Aliomar fez carreira

 

Em 1967 recebeu uma proposta do também rádioator da Rádio Clube do Brasil, Wolner Camargo, para ir trabalhar na empresa de dublagem AIC, em São Paulo, no qual Wolner era diretor geral do estúdio, Aliomar aceitou a proposta e foi com o marido, que também dublava, para São Paulo, e a partir daí, sua filha começou a ser levada para dublagem pela avó paterna, com quem vivia mais o pai. Aliomar e Silvio vieram pra São Paulo, e alugaram uma casa ao lado da AIC, e como isso estavam sempre disponíveis para dublar.

 

Oreu em Maguila, o Gorila


Na AIC, foi aonde Aliomar brilhou como dubladora. Entre seus diversos papeis, primeiramente estão os desenhos, como a primeira e mais constante voz da pequena Oreu em Maguila, o Gorila, a terceira voz de Betty Rubble a partir da 4 temporada em Os Flintstones, Ching nos primeiro episódio dublados na AIC de A Princesa e o Cavaleiro, o resto da série foi dublada no Rio, Pedrita em Bam Bam e Pedrita e no longa-metragem Flintstones Especial.

 

Sally Field


Em séries fez a filha de Samantha, Tabatha Stephens interpretada pelas atrizes Julie Young e Tamar Young em A Feiticeira, a segunda e mais frequente voz da Agente 99 interpretada por Barbara Feldon da segunda temporada em diante na primeira dublagem de O Agente 86, a Irmã Bertrille interpretado por Sally Field em A Noviça Voadora, sem duvida nenhuma seu maior trabalho, Barry Lockridge interpretada por Stefan Arngrim em Terra de Gigantes, a segunda voz de Penny Robinson interpretada por Angela Cartwright em Perdidos no Espaço, entre outros.


Aliomar dublou constantemente até 1984, depois dublando esporadicamente. Alguns anos depois, mudou-se para o Rio de Janeiro com o marido.

 

Nos anos 2000, teve um projeto artístico desenvolvido com a terceira idade.

 
Trabalhos:

 

Filmes

 

- Lutie Cameron Brewton (Katharine Hepburn) em Mar Verde

- Ruby Calder (Angie Dickinson) em Caçada Humana

- Philadelphia Thursday (Shirley Temple) em Sangue de Herói

- Pequena Peep (Charlotte Henry) em Era Uma Vez Dois Valentes

- Francine MacLaine (Patricia Hardy) em Ritmo Alucinante / Música Alucinante

- Sra. Carrie Lane (Karen Steele) em O Homem Que Luta Só

- Babá Goodpature (Tuesday Weld) em A Delícia de Um Dilema

- Riley Martin (Wanda Hendrix) em Serras Sangrentas

- Carola (Luciana Paluzzi) em Sem Tempo Para Morrer

- Mary Clancy (Hayley Mills) em Anjos Rebeldes

 

Séries

 

- Tabatha Stephens (Julie Young e Tamar Young) em A Feiticeira
- Agente 99 (Barbara Feldon) (segunda voz) em O Agente 86

- Irmã Bertrille (Sally Field) em A Noviça Voadora
- Barry Lockridge (Stefan Arngrim) em Terra de Gigantes
- Penny Robinson (Angela Cartwright) (segunda voz) em Perdidos no Espaço

- Biddie Cloom (Susan Tolsky) em E As Noivas Chegaram

- Betsy Garth (Roberta Shore) em Virgínia / O Homem de Virgínia (1ª Dublagem)

 

Desenhos

 
- personagens secundários em Speed Buggy
- Betty Rubble (terceira voz) em Os Flintstones
- Oreu (primeira voz) em Maguila, o Gorila
- Vilma Flinstone em Fred e Barney Show
- Ching em A Princesa e o Cavaleiro (AIC)
- Pedrita em Bam Bam e Pedrita e Flintstones Especial (Longa-Metragem)

- Merilee em Butch Cssidy e Os Sundance Kids

 

Fontes: O Cruzeiro, Universo AIC, A Scena Muda, Correio da Manhã, Diário Carioca, O Jornal, Diário da Noite, Jornal do Commercio, Diário de Notícias, Veja, Fernanda Furquim, Lady Hollywood, Silvio Matos, Marcelo Almeida, Dublanet.