Dubladores

Ana Ariel


Arquivo de Som:

 
Miriam Jennings (Barbara Stanwyck) em Trama Diabólica


 
Biografia:

 
Ana Ariel foi uma dubladora Carioca

 

Ariel Pinto nasceu em 18 de Maio de 1930, em São Paulo, Capital.

 

Início

 

Abelardo Pinto, o Piolim

 

Começou bem pequena no circo com seu pai, o famoso palhaço Piolin. No Circo, alem de atuar, também aprendeu a ser equilibrista, trapezista, ciclista, aramista e ginasta.

 

Piolim e Ana Ariel

 

Por conta de um acidente, mudou de função dentro do circo, e começou a participar em comedias circenses ao lado do pai.

 

TV Tupi

 

Na década de 1950, ingressou na TV Tupi, participando do programa Circo Bombril. Na atração, trabalhou ao lado do famoso palhaço Carequinha.

 

TV Continental

 

Em 1969, já noiva de José Miziara, que conhecera no Circo de seu pai, é levada pelo mesmo para o Rio de Janeiro para trabalhar na TV Continental. Na ocasião se casa com José, e adota o nome artístico de Ariel Miziara.

 

Na emissora, atuou em diversas produções. Entre elas em teatros, no programa Teleteatro, em peças, como: Grito de Terror (1960), e A Dama da Madrugada (1961).

 

Ficou na emissora até por volta de 1962.

 

TV Rio

 

Com um tempo de hiato, retorna a TV, agora na TV Rio, por volta de 1965, e com seu novo nome artístico: Ana Ariel.

 

Na emissora, atuou, entre outros nas novelas: Porto dos Sete Destinos (1965), A Noiva do Passado (1966), e A Herança do Ódio (1966-67).

 

Também participou por algum tempo do programa Noites Cariocas, inclusive atuando ao lado do primo Ankito.

 

Rede Globo

 

Ana Ariel e Mário Cardoso (1975)

 

Em 1967 vai para a Rede Globo, atuar principalmente em novelas. A novela de maior sucesso de Ana, foi Maria, Maria (1978), aonde fez Rosária.

 

Ana Ariel e Magalhães Graça (1975)

 

Entre as novelas que fez, estão: A Rainha Louca (1967), Sangue e Areia e Rosa Rebelde (1968), Véu de Noiva (1969), Verão Vermelho (1970), Irmãos Coragem (1970), O Homem Que Deve Morrer (1971), Selva de Pedra (1972), O Bem-Amado (1973), O Semideus (1973), O Crime da Bigorna (1974), Gabriela (1975), A Moreninha (1975), Saramandaia (1976), Duas Vidas (1976), Maria, Maria (1978), Sinal de Alerta (1978), Memórias de Amor (1979), Cabocla (1979), Chega Mais (1980), e As Três Marias (1980).

 

TV Bandeirantes

 

Em 1981, ingressa na TV Bandeirantes, aonde atua no programa: A Moda da Casa (1981).

 

Rede Globo

 

Sandra Bréa, Felipe Carone, Ana Ariel, e Luis Gustavo (1982)

 

De volta a Rede Globo em 1982, atua nas novelas: Elas Por Elas (1982), Voltei Pra Você (1983), Amor Com Amor Se Paga (1984), De Quina Pra Lua (1987), Hipertensão (1987), Sassaricando (1987), e Vale Tudo (1988).

 

Ana Maria Magalhães e Ana Ariel em Saramandaia (1976)

 

Além de novelas, participou de diversas outras atrações, como a série: Mário Fofoca (1983); e dos programas: Caso Especial (1977), e Caso Verdade (1984-85), em episódios, como: Meu Caso (1984).

 

Se afasta da TV, e da profissão artística como um todo por volta de 1988, por conta da labirintite.

 

Teatro

 

Ana também atuou em peças de teatro. Entre elas, temos: Inocentes Antes dos Fantástikos / As Inocentes do Leblon (1965), ao lado de Fernando Mariz, e Luis Parreiros, Agonia do Rei (1968), ao lado de Glauce Rocha, Os Últimos (1971), de Goeki, ao lado de Miriam Pires, Antonio Patiño, Eleonor Bruno, Suely Franco, e Gilberto Martinho no Teatro Mesbla, e Constantina (1974), com Tônia Carrero, Rogério Fróes, Susana Vieira, Pietro Mário, Felipe Wagner, Roberto Maya, e na temporada em São Paulo houve atores substituídos por Paulo Goulart, Márcia Real, Rita Cléos, e Eleu Salvador.

 

Cinema

 

No cinema, atuou nos filmes: Pedro Diabo Ama Rosa Meia Noite (1969), ao lado de Paulo Cesar Pereio, Hugo Carvana, Mário Lago, Gracinda Freire, e Milton Gonçalves, e As Aventuras de Mário Fococa (1982), ao lado de Luiz Gustavo, Walter Stuart, Sandra Bréa, Júlia Lemmertz, Maria Luísa Castelli, e Dante Rui.

 

Vida Pessoal

 

Ana Ariel

 

Ana Ariel foi moça precoce em tudo, tanto na carreira artística, quanto na vida sentimental/amorosa. Casou-se em 1947, aos 17 anos, se separando em 1950. Não sabemos qual o nome de seu marido, mas provavelmente era do circo.

 

No final dos anos de 1950, conheceu José Miziara, com quem trabalhava no Circo. Começaram a namorar, e ficaram noivos em 1959. No mesmo ano, José a leva com ele para o Rio para trabalhar na TV Continental. Na mesma época se casam. Na ocasião, Ana adotou o nome artístico de Ariel Miziara.

 

Por volta de 1962, Ana se separa de Miziara, e também sai da televisão, retornando 3 anos mais tarde na TV Rio, já com o nome artístico de Ana Ariel.

 

Anchizes Pinto, o Ankito

 

Além de filha do palhaço Piolim, também era prima do ator Ankito.

 

Dublagem

 

Na dublagem entrou por volta de meados dos anos de 1960, passando principalmente pela CineCastro e Dublasom Guanabara.

 

Barbara Stanwyck em Trama Diabólica

 

Entre seus trabalhos, temos as atrizes Barbara Stanwyck em Trama Diabólica, e Joan Crawford na primeira dublagem de O Que Aconteceu Com Baby Jane?.

 

Não temos muitos de seus trabalhos catalogados, mas sabemos que esteve na dublagem entre 1965 e 1975 mais ou menos, quando larga a dublagem para atuar definitivamente na TV.

 

Veio a falecer em 20 de Fevereiro de 2004, na cidade do Rio de Janeiro.

 
Trabalhos:

 

Filmes

 

- Miriam Jennings (Barbara Stanwyck) em Trama Diabólica

- Blanche Hudson (Joan Crawford) em O Que Aconteceu Com Baby Jane? (1ª Dublagem)

 

Fontes: O Cruzeiro, Elenco Brasileiro, Diário Carioca, Revista Zingu!, Jornal do Brasil, Diário de Notícias, Wikipédia, IMDB, Mefeedia, Duronaqueda, Tele Dossiê, InfanTV, Revista Amiga e Novelas, Alchetron.