Artigos

Artigos de Revistas

Entrevista com Noeli Santesteban para a edição N° 110 de Abril de 1997 da Revista Herói, falando sobre sobre seu começo de carreira e seus personagens do mundo do Animê.

Com certeza você já viu a Noeli Santesteban em comerciais ou apresentando algum programa na Tv. Talvez o que você não saiba é que ela é a dubladora de alguns dos personagens mais badalados do mundo: Goku, Marine e Fly. Nesta entrevista exclusiva a atriz, cantora, locutora e apresentadora de 38 anos conta sobre sua carreira e sobre seus personagens.

Quando você iniciou sua carreira?

Antes de começar a minha carreira, eu fiz escola de arte dramática desde 79. Então, eu comecei a fazer um pouco de teatro e comerciais. Depois viajei durante muito tempo cantando em shows do Manolo Otero. Quando voltei, por volta de 88, eu comecei a dublar de novo. Também comecei a apresentar o programa da Casa Centro, fiz vários comerciais - muitos do Estadão - e até cheguei a trabalhar na rádio Jovem Pan 2. Hoje, continuo dublando, apresento o Casa Dentro e o Eletronic's Space e faço muitos comerciais. Alguns ainda estão no ar.

Como pintou a dublagem?

Eu comecei na dublagem cantando na S. c.  São Paulo (vulgo Megasom). As atrizes dublavam as personagens e eu cantava. Isso até o dia que o dono da S. c.  me convidou para fazer o teste para dublar a Olívia Palito no filme do Popeye. Eu dei uma super sorte, porque a dublagem foi aprovada pela própria produtora americana e acabei fazendo a Olívia. Desde então eu não parei mais de dublar.

Quais seus principais trabalhos na dublagem?

Fiz a Shelly no Parker Lewis, a Márcia no desenho do Charlie Brown, a Jane no novo Tarzan. Também fiz várias novelas mexicanas, a Jenifer em Superhuman Samurai, participei daquela série Tudo Em Cima, do Castelo Rá-Tim-Bum e ainda estou apresentando as aulas de matemática no Tele Curso.

 

        

Você fez alguma personagem em Sailor Moon, Cavaleiros e Shurato?

Eu faço bastante coisa na Dublavídeo, mas não fiz nada no Shurato. Agora na Sailor Moon, eu fiz a Zyocite, que só muito depois fiquei sabendo que originalmente era homem. Nos Cavaleiros fiz a Titis (Tétis).

Conte pra gente como foi fazer a Zyocite e a Tetis.

Adorei a Zyocite, porque ela pegou um lado que eu não exercito muito, que é ser a vilã. É muito gostoso fazer as más, porque você põe seu lado obscuro para fora na hora de interpretar. Eu até pedi para o Baroli para fazer mais vilãs.
 


Já a Titis foi muito rápida. Eu quase não lembro dela. Eu pouco entendi a história dos Cavaleiros, porque peguei só o final. Eu queria que a participação da Titis tivesse sido maior para curtir mais a personagem.
 

Vamos falar dos seus personagens mais atuais. Primeiro sobre a Marine. O que você achou fazer a Guerreira Mágica?

 

Eu adorei fazer a Marine. Ela tem aquela coisa de ser briguenta que eu também tenho. Inclusive, o Baroli me chamou porque ele sabe que sou assim igual a ela. Quando ia dublar a Marine, eu não via a hora dela ficar brava.

 

Eu também gostava de fazer a Marine porque ela tinha aquela coisa de ir atrás dos seus idéias, batalhar pelo que queria. E eu sou bem como ela. Pra ser sincera, eu adoraria ter feito o Mokona – “Pupu, pupu!”. Eu adoro bichos e adoro faze-los. Eu amava o Mokona.

 

E o Fly? Como foi?

 

Eu gostei muito de fazer o Fly, principalmente por causa daquele lado ingênuo e doce que ele tem, que é encantador...

O Fly defendia aquela ilha cheia de monstros feios, porque ele amava a todos de lá. Falta muito disso hoje em dia, um amor incondicional por algo, como o Fly protegendo os bichinhos da ilha.  

 

O Fly passa mais que o Goku esse respeito com a natureza, aos humanos, ao planeta. Acho, até que o Fly é mais crinção, aquela coisa irresponsável, tipo primeiro faz e só depois pensa no que fez. E isso era muito legal nele. Embora, o Fly seja de uma certa maneira um clone do Goku, ele tem o seu charme.  

 

Falemos do Goku. O que você achou dele?

O Goku foi muito legal de fazer. Adorei o Mestre Kame, achei superinteressante ter um velhinho tarado no desenho. A Bulma é engraçadíssima. E adoro também o Krilin.

Dragon Ball tem mais enredo. Essa história de ter que juntar as esferas, dá ao Goku um objetivo que o Fly não tinha. O Fly só queria ser herói. Como entretenimento, Dragon Ball prende mais por causa de sua história.
 

Dos 60 episódios já dublados, qual sua sequência favorita?

Gosto muito quando o Goku começa a comer. Quando eu vou dublar essas cenas, o Baroli deixa o desenho rolando e eu só fico fazendo ruídos. No meio das brigas ele sempre fica com fome.

Também acho uma gracinha o Kamehameha. Agora quando ele começa brigar muito, eu já não gosto. Eu prefiro as partes engraçadas: quando ele está com a Bulma e faz aquelas perguntinhas bem típicas de criancinhas ingênua.
 

 

O que você espera do futuro do Goku? Você pretende continuar a dublá-lo quando ele crescer?

Eu tenho uma super curiosidade de saber onde a série vai chegar, e tenho certeza que o pessoal também está super ansioso com isso. Espero que a distribuidora tenha respeito com o público e traga o resto da série. Eu terminei de dublar sessenta capítulos e onde parou não faz sentido.

Em relação ao Goku adulto, parece que no Japão é a mesma voz dele pequeno e adulto, mais para a nossa cultura não sei se manter a minha voz vai ficar muito legal. A princípio, o Baroli me disse que quando o Goku ficar adultos o Hermes (o Seiya dos Cavaleiros do Zodíaco) é quem vai faze-lo. No caso, eu passaria a fazer um dos filhos do Goku, ainda não sei qual deles.
 


Marcelo Del Greco


Contate a Noeli

A Noeli ta muito a fim de saber a opinião sobre os personagens que ela já dublou. Assim, a dubladora nos deixou seu e-mail para você dizer o que achou das vozes de Goku, do Fly, da Marine e dos outros personagens diretamente para ela. Então anotem: santist@br. homeshopping. com. br

Agradecimentos ao Centro Cultural da Juventude de São Paulo pelo Material.