Dubladores

Norka Smith


Arquivo de Som:

 

Vivian Rutledge (Lauren Bacall) em A Beira do Abismo / Beth em Homem Aranha


 
Biografia:

 
Norka Smith foi uma dubladora Carioca

 

Norka dos Santos Ribas Guimarães Nascimento nasceu em 26 de Setembro de 1923, na cidade do Rio de Janeiro.

 

Início

 

Ainda criança, mudou-se com os pais para o Paraná, pois seu pai arranjara um emprego como engenheiro, área que atuava no Rio. Logo em seguida, foi colocada em um colégio interno, aonde sofreu maus tratos da irmã superiora que a viu interpretando uma atriz. Com esse mau trato, chegou a deixar de comer e a ficar doente, tendo sido tirada de lá por seu pai.

 

Rádio Cruzeiro do Sul

 

Pouco tempo depois retornou ao Rio de Janeiro, e teve finalmente sua primeira oportunidade artística que tanto desejava, na Rádio Cruzeiro do Sul.

 

Rádio Tupi

 

Pouco tempo depois, em 1938, é levada por Olavo de Barros, diretor de rádioteatro da Tupi, para atuar na emissora. Foi a partir daí que Norka começa sua longa carreira como atriz.

 

Norka é conhecida como uma das primeiras atrizes do teatro no rádio, pois na ocasião esse seguimento estava se iniciando no Brasil.

 

Um de seus primeiros trabalhos, foi no programa Grande Theatro Tupi, na peça: Nada (1938), ao lado de Delorges Caminha e Lúcia Delor, peça essa que inaugurou o programa no dia 22 de Julho de 1938.

 

Entre as demais peças que atuou no programa, estão: A Mulher Que Todos Queremos (1939), A Cigarra e a Formiga (1939), As Levianas (1939), As Três Helenas (1939), O Último Guilherme (1939), A Vida Tem Três Andares (1939), A Honra (1939), Obsessão (1939), Roberto (1939), O Soldado de Hespanha (1939), O Homem Que Fica (1939), Um Grande Amor (1939), Rosaura (1939), Lúcia (1939), A Mulher Que Se Vendeu (1939), entre outras.

 

Em 1940, outro programa de peças teatrais aparece na emissora, se trata do Grande Theatro Eucalol. No ano em questão, atua em peças, como: Bonecos (1940), O Grande Cidadão (1940), A Dúvida (1940), Arsenio Lupin (1940), e O Direito de Amar (1940).

 

Norka Smith (1942)

 

De 1941 à 1943, atua no mesmo programa, em peças, como: A Comédia do Carnaval (1941), Lar Desfeito (1941), Pygmalião (1941), O Colar (1941), Morro dos Ventos Uivantes (1941), Sublime Sacrifício (1941), Alma Torturada (1942), e Os Fidalgos da Casa Mourisca (1943).

 

Em 1945 e 1946, atua em peças do programa, como: Rosaly (1945), Joana D'arc (1945), O Filho Querido (1946), Amores de Suzana (1946), E o Passado Voltou (1946), e Matilde é o Amor (1946).

 

Também atuou em outras peças na emissora, como: Travessuras de Berta, e O Que a Vida Não Ensina. Não sabemos o ano, nem em que programa teatral as teria interpretado.

 

Em programas variados na emissora, participou de: Reminiscencias Theatraes (1941), ao lado de Olavo de Barros, Paulo Gracindo Nena Robledo, e o conjunto regional de Rogério Guimarães.

 

Em programas humorísticos, começou em 1942 a atuar em Casal do Barulho (1942-44), junto com Paulo Gracindo. Fez o programa por 3 anos, e foi um dos maiores sucessos da emissora e de sua carreira. Por conta da parceria de sucesso com Gracindo, atuou diversas vezes em produções ao lado do rádioator na emissora.

 

Por volta de 1942, começaram a chegar mais massiçamente as rádionovelas, e Norka atua em diversas delas, deixando o rádioteatro um pouco de lado.

 

Norka Smith (1950)

 

Entre as novelas que atua, estão: Pecado de Amor (1942), Mulheres do Bronze (1942), Romance de Um Anel de Noivado (1944), Amor de Perdição (1944), Meu Destina é Pecar (1945), Serenata de Amor (1946), e A Mulher dos Meus Sonhos (1946).

 

Em novelas religiosas, ficou marcada em personagens em novelas, como: A Canção de Bernadete (1944), e Terezinha de Jesus (1947).

 

Rádio Globo

 

Em 1947, vai para a Rádio Globo. Na emissora, não fica mais do que 2 anos.

 

Entre as produções que participou na casa, está a novela: Uma Sombra de Mulher (1947); e a peça: Um Violino na Sombra (1948); entre outros.

 

Rádio Mayrink Veiga

 

Na Rádio Mayrink Veiga chega em 1949, levada por Lourival Marques, diretor artístico da emissora. Norka estreia na emissora no dia 23 de Junho de 1949.

 

Renato Consorte, Nanci Vanderlei, Ênio Santos, Norka Smith e Urbano Lóes (1955)

 

Em peças na emissora, participa de: Tio Bilu e As Meninas (1949); em peças no programa Teatro Pelos Ares (1950), e em peças no programa Grande Teatro Toddy, como: Amor Impossível (1952); entre outras.

 

Em novelas, atua em: Você Me Conhece (1949), A Pequena Cruz do Teu Rosário (1950), entre outras.

 

Participou na emissora em 1951 do programa de Manoel de Nóbrega: Turbilhão de Risos (1951).

 

No mesmo ano, atuou em um programa feito para casais, ao lado de grande elenco da emissora, chamado: Jardim dos Namorados (1951).

 

Em 1953, tem uma breve passagem pela Rádio Inconfidência, em Minas Gerais. Provavelmente atuou na emissora nas férias da Mayrink, o que era comum acontecer entre artistas de rádio.

 

Participou também de programas infantis na emissora, como em: Momento Infantil (1954), apresentado pela própria Norka.

 

Rádio Tupi

 

Em 1955, Norka retorna à emissora que lhe fez conhecida nacionalmente, a Rádio Tupi.

 

Na emissora, atuou principalmente em rádionovelas. Entre elas, temos primeiramente as novelas realizadas 1955, 1956 e 1957, como: A Derrota (1955), Portuguesa, Com Certeza (1955), Uma Deusa Entre As Panelas (1955), O Riso e a Máscara (1956), O Oitavo Pecado (1957), e A Felicidade Verá Depois (1957).

 

Norka Smith (1950)

 

Em 1958, esteve nas novelas: Adalgisa e O Mundo (1958), Calvário Materno (1958), As Três Lágrimas (1958), Calvário Materno (1958), O Fim da Jornada (1958), e Os Filhos Não Tem Culpa (1958).

 

Em 1959, atuou nas novelas: Estrela Sem Brilho (1959), O Mundo Está Lá Fora (1959), Na Solidão da Noite (1959), A Estranha Verdade (1959), O Mistério da Fazenda Solidão (1959), Ária na Corda (1959), Corações Humanos (1959), Vidas Sem Rumo (1959), Uma Gota de Orvalho (1959), Condenado à Vida (1959), O Preço da Traição (1959), Vendaval de Emoções (1959), Vida de Minha Vida (1959), Revolta de Um Coração (1959), E A Luz Brilhou... (1959), e A Margem da Vida (1959).

 

Na década de 1960, atuou em novelas, como: As Mulheres São Todas Irmãs (1960), Bonita Demais (1960), A Doce Canção do Adeus (1960), Terra Seca (1961), O Passado Me Condena (1962), História de Uns Olhos Verdes (1962), Brumas do Passado (1962), e Sombras Que Revivem (1963).

 

Abel Pêra, Chico Anysio, Nanci Vanderlei, e Norka Smith (1956)

 

Em teatro na emissora, entre outros atuou em peças do Teatro Infantil, como: Teatrinho do Sorriso (1956), de Edgard G. Alves; em peças do Grande Teatro Rodolfo Mayer, como: O Medico e o Monstro (1957); e em peças do programa História Seriada, como: O Tesouro (1958); entre outras.

 

Em programas variados, esteve em: Encontro As Cinco e Meia (1957), ao lado de Paulo Porto, aonde abordavam problemas de casais no lar. Em 1959, o programa ocupava o segundo lugar de audiência no horário. Também era recordista em recebimento de cartas.

 

Atuou também no programa: Detetive no Ar (1959), um programa do gênero de mistério.

 

Norka além de atriz e apresentadora, também foi novelista, tendo estreado nesse seguimento em 1959, escrevendo a novela: Estrela Sem Brilho (1959).

 

Em 1964, se afasta do rádio, e dedica-se apenas a dublagem. 3 anos depois, em 1967, retorna a emissora.

 

TV Tupi

 

Trabalhando na Rádio Tupi, e automaticamente fazendo parte dos Diários Associados, também é convidada para atuar na TV Tupi.

 

Na emissora, entre outros atua na novela: Bonita Demais (1960).

 

Teatro

 

No teatro começa, convidada por Olavo de Barros que antes da Tupi também organizava peças de teatro no Carlos Gomes. Entre as peças que atuou com Olavo, estão: Qual dos Três? (1937), ao lado de Barbosa Junior e Cordelia Ferreira, e Vae Ter (1939).

 

Posteriormente, integrou o lendo de: Granfinos em Apuros (1943), ao lado de sua colega de Tupi, Lúcia Delor.

 

Paulo Renato e Norka Smith (1944)

 

Na década de 1940, começou a participar de festivais anuais com artistas do rádio. Entre eles, temos: Epopéia do Rádio (1950), de Benvindo Ednaldo.

 

Em 1946, chegou a ter uma cooperativa teatral, chamada Cooperativa Cultural Teatro do Povo (1946).

 

Em 1947 esteve na Companhia Aimée, na peça: Entre Beijos e Bofetões (1947), ao lado de Paulo Porto, Ambrósio Fregolente, e Rodolfo Mayer.

 

Em 1949, atuou na peça: Noite Inesquecível (1949), peça essa que reuniu artistas do rádio, cinema, teatro e circo, como Procópio Ferreira, Aimée, Paulo Porto, Floriano Faissal, Albertinho Fortuna, Nuno Roland, Brandão Filho, Simone Morais, Paulo Gonçalves, Castro Gonzaga, e outros.

 

Em seguida, atuou na peça: A Lógica da Poligamia (1950), ao lado de Rodolfo Mayer, Paulo Gracindo, entre outros.

 

11 anos afastada do teatro, por conta do rádio, ingressou na Companhia Os Associados, dos colegas de Rádio Tupi, e nela atuou na peça: Nó de Quatro Pernas (1961), ao lado Paulo Gonçalves, Luís Motta, Elza Martins, e Terezinha Moreira.

 

Outros

 

Norka Smith recebendo seu prêmio de Miss Escola Dramática (1938)

 

Concorreu em 1938, ao Miss Escola Dramática, no qual conseguiu o primeiro lugar.

 

Vida Pessoal

 

Norka Smith e Paulo Renato (1950)

 

Na década de 1940, conheceu seu futuro marido, Paulo Renato, com quem trabalhava na Rádio Tupi. Alguns anos depois começaram a namorar, e em 1944, ele pediu Norka em noivado à sua mãe. Isso aconteceu depois do último capítulo da novela Romance de Um Anel de Noivado (1944), novela que justamente falava sobre o tema em questão. Norka casou-se, e foi morar na pensão de sua tia. Lá, volta e meia a ajudava na cozinha.

 

Em 1947, vai para a Rádio Globo, e Paulo ingressa com ela. 2 anos depois, Norka muda novamente de emissora, indo para a Mayrink, mas Paulo não a seguiu, seguindo carreira no cinema. A partir daí começaram conflitos entre o casal, o que levou a separação dos mesmos em 1950.

 

Mãe de Norka, Cristina, sua filha, e Norka (1957)

 

Norka sofreu muito com a separação, mas em 1951, conhecera o Maestro Franca Villa, que também trabalhava na Mayrink Veiga, e se casaram. Na ocasião, o anúncio de seu segundo casamento foi destaque em um jornal da época. A peculiaridade desse matrimônio, é que o mesmo foi consumado no Uruguai, não sei se porque não época o governo brasileiro não aceitava a separação, ou se foi por simples escolha de ambos. Tem uma filha do Maestro em 1952, chamada Cristina. No mesmo ano, se separou de Franca Villa.

 

Ainda no mesmo ano, teve um romance rápido com o rádioator Paulo Gonçalves.

 

Por volta de final da década de 1950, começou a namorar Lauro Fabiano, com quem se casou logo em seguida. Foi ele que a levou para a dublagem, quando trabalhava na Riosom, empresa que Norka mais dublou. Se separam por volta da década de 1970.

 

Norka casou-se pela quarta vez logo depois da separação, mas não sabemos o nome de seu marido. O mesmo faleceu anos antes de Norka.

 

Dublagem

 

Na dublagem, ingressou por volta de final dos anos de 1950, início dos anos de 1960 pela Riosom, levada por seu esposo, Lauro Fabiano, que narrava, dirigia dublagem, e dublava no estúdio. Também chegou a dublar na CineCastro.

 

Lauren Bacall em A Beira do Abismo

 

Suas principais dublagens foram em filmes. Entre eles temos a atriz Lauren Bacall em A Beira do Abismo e Paixões em Fúria, além de Elizabeth Hintten interpretada por Ava Gardner em Lábios Que Escravizam, April Logan interpretada por Madeleine Carroll em Legião de Heróis, entre outros.

 

Beth em Homem Aranha (1967)

 

Em desenhos, substituiu Selma Lopes em Jane Foster em O Poderoso Thor, e foi Beth em Homem Aranha (1967).

 

Norka dublou na década de 1960 inteira, mas como a maioria das produções em que deu a voz, ou pararam de ser passadas, ou foram redubladas (muitas ainda na década de 1960), e outras foram perdidas, quase não temos registros de seus trabalhos.

 

Norka se afastou da profissão por volta de 1969/70. Não sabemos se seguiu em algum ramo artístico, ou se se aposentou.

 

Norka Smith nos anos de 1990

 

Norka faleceu em 2 de Março de 1993 de parada cardíaca em sua casa. O enterro foi no dia 3, no cemitério São João Batista em Botafogo, Rio de Janeiro.

 
Trabalhos:

 

Filmes

 

- Lauren Bacall em A Beira do Abismo e Paixões em Fúria

- Princesa Pulcheria (Ludmilla Tcherina) em Átila, o Rei dos Hunos

- Elizabeth Hintten (Ava Gardner) em Lábios Que Escravizam

- Paula Matrac (Michèle Morgan) em Passagem Para Marselha

- Cassie (Gypsy Rose Lee) em Os Xerifes Quarentões

- Elaine Harper (Priscillla Lane) em Este Mundo é um Hospício

- April Logan (Madeleine Carroll) em Legião de Heróis

 

Desenhos

 
- Jane Foster (segunda voz) em O Poderoso Thor

- Beth em Homem Aranha

 

Fontes: Correio da Manhã, O Jornal, A Noite, A Manhã, Gazeta de Notícias, Diário da Noite, Jornal do Commercio, Jornal do Brasil, Fon Fon, Augusto Bisson, História da Dublagem, Carlos Amorim, Marcelo Almeida, Taz, Dublanet, Dr. Macro, Canal Web Head Fans, Canal Zosblinha, A Luta Democrática, De Passagem Pelos Nossos Estúdios.