Dubladores

Paulo Gonçalves


Arquivo de Som:

 
Robin Hood (Sean Connery) em Robin e Marian


 
Biografia:

 
Paulo Gonçalves foi um dublador Carioca.
 
Paulo Gonçalves nasceu em 4 de Agosto em 1924 em Belém, Pará.

 

Início

 

Começou sua carreira como rádioator na Rádio Clube do Brasil. Posteriormente foi para a Rádio Cruzeiro do Sul.

 

Rádio Mayrink

 

Em 1949, chega a Rádio Mayrink Veiga, aonde segue carreira.

 

Inicialmente, atua em peças, como: Assim é o Teatro (1949), produzido por Dimas Joseph, além de ter participado do programa teatral: Teatro das Três e Meia (1953).

 

Pery Borges, Jod Silva, Newton da Matta e Paulo Gonçalves (1954)

 

Em novelas, entre outras, atuou em: O Guerreiro Branco (1949), O Grande Anatólio (1950), e Sublime Redenção (1953).

 

Já em programas variados, participa quase que diariamente de Pausa Para Meditação (1951), ao lado de vários artistas da emissora, além de Jardim dos Namorados (1951), participando de quadros no mesmo.

 

Paulo Gonçalves, Chico Anysio, Lana Bitencourt, Renato Consorte, Estelita Bell, e Macedo Neto (1955)

 

Em programa humorísticos, participou do famoso: Vai da Valsa (1955), ao lado de Ema D'Ávila, Zé Trindade, Antônio Carlos, Matinhos, Nancy Wanderley, Chico Anyzio, Estelita Bell, Renato Consorte, e outros.

 

Rádio Mundial

 

Em 1955, tem uma breve passagem pela Rádio Mundial, atuando em novelas, como: Alma de Mulher (1955); e programas, como: Alô, Rio (1955), ao lado de Sérgio de Oliveira; entre outros.

 

Rádio Mayrink

 

Em 1956, retorna a Mayrink.

 

Na ocasião, atua em programas, como: Aquarela Sertaneja (1956), Lendas e Fantasias de Emoção (1956), e Boa Noite, Sertanejo (1956).

 

Paulo Gonçalves (1956)

 

Em novelas, atua em: As Sombras Tudo Encobrem (1956), Entre o Céu e a Terra (1956), O Testamento (1957), Meu Pai (1957), entre outras.

 

Já em programas humorísticos, atua em: Levando... (1957), de Chico Anyzio, ao lado de Terezinha Moreira, Ema D'Ávila, Estelita Bell, e outros.

 

Rádio Tupi

 

Em 1958, ingressa nos Diários Associados, e vai trabalhar na Rádio e TV Tupi.

 

Paulo Gonçalves (1959)

 

Na emissora atua principalmente em novelas, como: Comecemos Outra Vez (1958), Um Ano de Felicidade (1958), As Três Lágrimas (1958), O Fim da Jornada (1958), Destino (1959), Como a Própria Vida (1959), Um Homem Só (1959), A Última Gargalhada (1959), Noites Sem Lua (1959), Abandonados (1959), O Preço da Tentação (1959), O Mistério da Fazenda Solidão (1959), A Mulher Que Veio de Longe (1959), A Moeda Maldita (1960), Onde Dormem As Estrelas (1960), Um Olhar nas Trevas (1960), Destino de Um Homem (1960), Maria-la-ô, entre outras.

 

Rádio Mayrink

 

Por volta de 1961/62, retorna novamente a Mayrink Veiga.

 

Na ocasião, esteve nas novelas: Nas Fronteiras do Inferno (1962), e As Mãos Estranhas do Destino (1962); e no programa Grande Teatro de Gala (1964-65), em peças, como: O Quarto Problema (1965); entre outras atrações na emissora.

 

Permanece na emissora até seu fim, em 1965.

 

Teatro

 

Paulo também atuou no teatro. Entre as peças de maior destaque, temos: Noite Inesquecível / Noite de Arte (1949), que reuniu artistas do rádio, cinema, teatro e circo, como Procópio Ferreira, Aimée, Paulo Porto, Floriano Faissal, Albertinho Fortuna, Nuno Roland, Brandão Filho, Simone Morais, Norka Smith, Castro Gonzaga, e outros.

 

Em 1957, esteve presente na Companhia Procópio Ferreira, aonde viajou com a mesma por vários meses por Portugal.

 

Paulo Gonçalves (1961)

 

Nos anos de 1960, esteve na Companhia Os Associados, na peça: Nó de 4 Pernas (1960-61), a passou por vários teatros do Rio. Na peça, atuou ao lado de Terezinha Moreira, Ribeiro Fortes, Elza Martins, Luís Motta, e outros. A direção ficou a cargo do ator Cláudio Correa e Castro.

 

Posteriormente atuou nas peças: Passeio Sob o Arco-Íris (1960), com Yoná Magalhães e Paulo Porto, Otto Lara Resende ou Bonitinha, Mas Ordinária (1962), de Nelson Rodrigues no Teatro da Maison de France, fazendo parte do Grupo Teatro Novo, Pif-Tac-Zig-Pong (1962), ao lado de Grande Otelo, Renato Consorte, Delorges Caminha, e Francisco Milani.

 

TV Rio

 

Na TV, atuou primeiramente na TV Rio. Esteve na peça: Ceia dos Cardeais (1957), com Procópio Ferreira, e Mário Brasini, entre outras realizadas na emissora.

 

TV Tupi

 

Em 1958, é contratado pelos Diários Associados, e ingressa também na TV Tupi.

 

Primeiramente, atua no programa humorístico: Aí Vem Dona Isaura (1958), seguido de Atire a Primeira Pedra (1960).

 

Também atua em peças na emissora, como: Sinhá Moça Chorou (1959), Somos Todos Irmãos (1959), Sombra de Suspeitas (1959), Lotaria (1960), Adeus Às Armas (1961), entre outras.

 

Paulo Gonçalves (1959)

 

Em 1959 surge o Teatro de Equipe, aonde Paulo atuou frequentemente, como nas peças: O Grande Anatólio (1959), O Julgamento de Tiradentes (1959), O Rosário (1959), Marquesa de Santos (1959), Vitória Amarga (1959), Sombra de Suspeitas (1959), e Sonata a Quatro Mãos (1959).

 

Esteve também presente em outros programas teatrais na emissora, como no Teatro de Novela Coty, em peças, como: Trágica Mentira (1959); Teatro de Comédias, em peças como: Avatar (1959), no programa Tele-Teatro: Um Olhar nas Trevas (1960), entre outros.

 

Já nas novelas, teve poucas atuações, já que exigiam mais tempo, e esse tempo ele dedicava as novelas de rádio. Entre as novelas que atuou na emissora, estão: Trágica Mentira (1959), e Crença Perdida (1961).

 

Rede Globo

 

Em 1966, afastado da TV há alguns anos, regressa as telinhas pela Rede Globo.

 

Na ocasião, atuou nas novelas: O Sheik de Agadir (1966), Anastácia (1966), e A Mulher Sem Destino (1967).

 

TV Rio

 

Em 1969, retorna a TV Rio, aonde fez a novela: Acorrentados (1969).

 

Rede Globo

 

Paulo Gonçalves

 

No mesmo ano, retorna a Rede Globo, e atua nas novelas A Ponte dos Suspiros (1969), Véu de Noiva (1969), Verão Vermelho (1970), Assim na Terra Como no Céu (1970), Minha Doce Namorada (1971), O Homem Que Deve Morrer (1971), Bandeira 2 (1971), O Bofe (1972), Cavalo de Aço (1973), Os Ossos do Barão (1973), Corrida do Ouro (1974), Gabriela (1975), O Grito (1975), O Casarão (1976), À Sombra dos Laranjais (1977), Nina (1977), O Astro (1977), Sinal de Alerta (1978), e Pai Herói (1979).
 

Rede Bandeirantes


Em 1980, vai para a Bandeirantes trabalhar na novela: Dulcinéa Vai à Guerra (1980).
 

Rede Globo

 
No mesmo ano, volta novamente a Rede Globo, e atua nas novelas: Chega Mais (1980), Terras do Sem-Fim (1981), Elas Por Elas (1982), Pão, Pão, Beijo, Beijo (1983), Amor Com Amor Se Paga (1984), e Selva de Pedra (1986).

 

Cinema

 

No cinema, participou do filme: Os Herdeiros (1970).

 

Prêmios

 

Francisco Milani, Aérton Perlingeiro e Paulo Gonçalves (1962)

 

Paulo foi premiado em 1962 pelo programa Ap-Show, de Aérton Perlingeiro na TV Tupi, como melhor ator de teatro do mês, ao lado de Francisco Milani, Fernanda Montenegro, ítalo Rossi, e Cláudio Corrêa e Castro. Esse premiação era feita uma vez por mês pelo programa.

 

LP's

 

Em parceria com Gerson Ribeiro, escreveu a música Meu Segredo, para sua esposa Rosita, lançada no álbum Boleros e Beguines (1958), pela Todamérica.

 

Narrou histórias de Nelson Gonçalves ao lado de outros atores de rádioteatro, no disco A Vida Como Ela é (1963).

 

Curiosidades

 

Houveram outras pessoas famosas com o nome de Paulo Gonçalves, como por exemplo o dramaturgo e poeta do início do século 20, que escreveu peças para o teatro.

 

Vida Pessoal

 

Paulo foi casado no início dos anos de 1950, mas se separou ainda na época. Em 1952, namorou a rádioatriz Norka Smith por um pequeno período.

 

Paulo Gonçalves e Rosita Gonzales

 

Por volta de 1953/54, começa a namorar a cantora Rosita Gonzales (Jussara de Melo Vieira), da Mayrink Veiga, casando-se com a mesma em 18 de Setembro de 1954.

 

Por volta dos anos de 1960 ou 1970, casa-se com a rádioatriz e dubladora Terezinha Moreira.


Dublagem
 
Na dublagem, começou antes da dublagem para a TV, no longa da Disney: A Dama e o Vagabundo; em 1957.

 

No ano seguinte, era convidado para atuar na Herbert Richers no estúdio CineLab para dublar para TV, ao lado de outros colegas do rádio e TV. Paulo foi um dos primeiros dubladores do Brasil.

 

Nos anos de 1960, ingressou também na Dublasom Guanabara, na qual atuou principalmente em longas metragens, e na Riosom, aonde atuou principalmente em desenhos. Nos anos de 1970, atua também na Televox e Telecine.

 

Dublou na Herbert até seu falecimento, tendo nos anos de 1980 dublado quase que exclusivamente no estúdio.

 

John Wayne

 

Entre seus trabalhos, temos primeiramente os filmes, aonde dublou atores, como Burt Lancaster em Aeroporto, e O Homem de Alcatraz, John Wayne em Bravura Indômita (1969), e O Último Pistoleiro, James Mason em A Raposa do Deserto, e Cinco Dedos, Robert Mitcum em A Herança da Carne, Sean Connery em Robin e Marian, Jack Palance em Barrabás, Rod Taylor em A Morte Não Marca Hora, Henry Fonda em Uma Batalha no Inferno, Kirk Douglas em Vitória em Entebbe, entre outros.

 

Jack Lord

 

Em séries, foi a voz de Bart Maverick interpretado por Jack Kelly em Maverick, uma das primeiras séries dubladas no Brasil, seguido de Matt Helm interpretado por Anthony Franciosa em Matt Helm, a primeira voz de Don Diego interpretado por Guy Williams na primeira dublagem da série no Brasil, por volta de início dos anos de 1960, tendo a mesma sido redublada 3 vezes, Detetive Steve McGarrett interpretado por Jack Lord em Hawaii 5-0, entre outros.

 

Homem de Ferro

 

Em desenhos, além da voz de Jim Querido na primeira dublagem de A Dama e o Vagabundo, também foi a voz de Sir Kay em A Espada Era a Lei, Robin em Super Robin Hood, Homem de Ferro na primeira dublagem de Heróis Marvel, entre outros.

 

Paulo veio a falecer em 01 de Julho de 1986, de câncer no pâncreas.


Trabalhos:

 

Filmes

 

- Burt Lancaster em Aeroporto, Assassinato de Um Presidente (1973), O Homem de Alcatraz, e Sete Dias de Maio (Primeira Dublagem)

- John Wayne em Bravura Indômita (1969), Jake Grandão, O Aventureiro do Pacífico, e O Último Pistoleiro

- James Mason em A Raposa do Deserto, e Cinco Dedos

- Mike Petrakis (Gilbert Roland) em Rochedos da Morte
- Dick Harper (George Segal) em Adivinhe Quem Vem Para Roubar
- Dr. John Markway (Richard Johnson) em Desafio do Além
- Wade Hunnicutt (Robert Mitchum) em A Herança da Carne
- Robin Hood (Sean Connery) em Robin e Marian

- Dr. Fred Richmond (Simon Oakland) em Psicose

- Torvald (Jack Palance) em Barrabás

- Jean Valjean / Champmathieu (Fredric March) em Os Miseráveis (1935)

- Travis McGee (Rod Taylor) em A Morte Não Marca Hora

- Jehu (Richard Egan) em Fama a Qualquer Preço

- Ten. Col. Dan Kiley (Henry Fonda) em Uma Batalha no Inferno

- John Banning (Peter Cushing) em A Múmia (1959)

- Hershel Vilnofsky (Kirk Douglas) em Vitória em Entebbe

 

Séries

 

- Bart Maverick (Jack Kelly) em Maverick

- Matt Helm (Anthony Franciosa) em Matt Helm

- Don Diego / Zorro (Guy Williams) (primeira voz) em Zorro (Primeira Dublagem)
- Detetive Steve McGarrett (Jack Lord) em Hawaii 5-0

 

Desenhos

 

- Homem de Ferro em Heróis Marvel (Primeira Dublagem)

- Jim Querido em A Dama e o Vagabundo (1ª Dublagem)

- Sir Kay em A Espada Era a Lei

- Robin em Super Robin Hood

 

Fontes: Dramaturgia Brasileira - In Memoriam, Correio da Manhã, O Jornal, Diário da Noite, A Manhã, Cantores do Brasil, Revista do Rádio, Diário de Notícias, Diário Carioca, Correio da Manhã, Cantoras do Brasil, Diário de Notícias, Gazeta de Notícias, Ricardo Salles Zardoz, Augusto Bisson, História da Dublagem, Paulo Telles, Cláudio Caparica, Izaias Correia, IMDB, Legacy, Collider, Pretty Clever Films, Silvio Navas, Acervo Pessoal, Formas e Meios, Osmar Frazão.